segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Uma continuação descabida

Há exato um mês de estreia no circuito nacional, já sendo retirado de cartaz em alguns casos, mas permanecendo em outros a continuação Busca Implacável 2 trás de volta Liam Neeson no papel do ex-agente secreto e agora segurança particular de celebridades Bryan Mills que terá de resgatar dessa vez a ex-esposa das mãos de antigos inimigos ainda referente ao sequestro da sua única filha em Paris anos atrás.

Em 2008 quando a primeira parte de Busca Implacável estreou nos cinemas nem mesmo o mais otimista dos produtores esperava que a produção orçamentada em 25 milhões de dólares, quantia mediana para os padrões do seguimento, fosse arrecadar exorbitantes 226 milhões mundo à fora, entretanto, apesar do bom retorno não era aguardado sequências por ser uma trama devidamente fechada até que foi anunciada a continuação para este ano.

Repetindo os mesmos elementos presentes no anterior a nova produção de Luc Besson sob direção de Olivier Megaton (Hitman) torna-se pouco atraente em todos os quesitos dos quais propõe explorar desde um roteiro clichê beirando o obvio de ser imaginado até as cenas de ação que apesar de boas performances são pouco criativas, desacerbadas e de solução simples na maioria das vezes mostrando o quanto a ideia de fazer remake da própria sequência segue forte.


MAIS UMA VEZ IMPLACÁVEL

Na primeira aparição de Bryan Mills sua filha era raptada em plenas férias de verão enquanto se preparava para conhecer a cidade luz, Paris, juntamente com outra amiga terminando sendo alvo de criminosos especializados na venda de jovens mulheres como escravas sexuais.

Em meio um relacionamento conturbado com a ex-mulher segue para França e causa grandes estragos a cidade e aos bandidos, com alguns mortos de formas no mínimo brutais e sempre prezando pela agilidade devido o curto período de tempo para resgatar a filha antes de perder seu rastro definitivamente.

O desenvolvimento da segunda parte tem como proposta a vingança de parentes de vários dos sequestradores assassinados por Mills e que irão caçá-lo além do resto da família durante a estadia na Turquia, entretanto, sem terem conhecimento quanto o ex-agente do governo americano pode ser mortal quando ameaçado.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

"O pensamento é o ensaio da ação." (Sigmund Freud)
Pode também entrar em contato através do e-mail allanlemos@hotmail.com